fbpx

Tipos de Meditação Budista, Técnicas e Como Praticar

Os diferentes tipos de Meditação Budista são muitos conhecidos, pois existem muitas escolas de Budismo no planeta – e cada uma com suas próprias técnicas de meditação.

Isso acontece porque após o período em que Buda viveu (Siddhartha Gautama, no século 6 aC), o Budismo se espalhou por muitas regiões do planeta. Nesse processo, o Budismo incorporou características das culturas onde se fixou, criando variações dos ensinamentos originais.


Todos os Tipos de Meditação Budista Tem a Mesma Origem

Todas as formas de Budismo – e, por extensão, técnicas de Meditação Budista – surgiram a partir da visão de Buda sobre a natureza da existência, as causas do sofrimento, as causas da felicidade e as diretrizes para viver uma vida saudável e construtiva.

As práticas de Meditação Budista se espalharam para além das fronteiras dos países onde elas se desenvolveram organicamente e estão disponíveis ao alcance de diversos povos.

Como são os Tipos de Meditação Budista?

Práticas de visualização tibetana, Zen, vipassana, Terra Pura, Nitiren e várias outras formas de meditação budista são agora ensinadas e praticadas em todo o mundo ocidental.

A Meditação Budista Zen (ou Zazen) é bem mais conhecida, porém, vamos apresentar 3 simples tipos de meditação Budista para você começar a praticar. Se você explorar um pouco, com certeza encontrará muito mais!

Shamatha (Meditação Mindfulness ou Meditação da Atenção Plena)

Shamatha (Meditação Mindfulness ou Meditação da Atenção Plena) é uma prática budista bem conhecida que se concentra no desenvolvimento da calma, clareza e equanimidade. Com a devida orientação e compromisso, o cultivo dessas qualidades pode levar a profunda paz interior. Quando combinado com práticas de vipassana (consciência), pode levar a profundas percepções e despertar espiritual.

Os estágios iniciais da meditação da consciência plena podem ser praticados por qualquer pessoa, independentemente de sua tradição de fé.

A base do Shamatha é focar sua atenção no momento presente. Para isso, você deve observar o fluxo contínuo dos seus pensamentos.

Em que Consiste a Técnica da Meditação Budista Shamatha

Sente-se numa postura de meditação confortável. Acima de tudo, encontre uma postura que não machuque as costas ou os joelhos. Mantenha as costas retas e tente encontrar um meio termo entre muito rígido e muito relaxado.

Observe sua respiração. Você não precisa manipular a respiração, usar a respiração abdominal ou fazer inspirações e expirações longas e profundas. Apenas respire normalmente e preste atenção ao seu processo de respiração. Uma respiração de cada vez. Mantenha sua atenção focada, mas sem perder a paciência. Ao mesmo tempo, observe o fluxo dos seus pensamentos. Você deve ter uma atitude de descoberta com seus pensamentos.

Reconheça os pensamentos que surgem em sua mente sem envolver-se com eles. Basta observar seus pensamentos e voltar sua atenção para sua respiração. Chamamos isso de “tocar e ir”. Deixe o pensamento surgir, observe-o calmamente e depois deixe-o ir, voltando sua atenção para sua respiração. Aqui, o objetivo é observar seu momento presente e desenvolver o conhecimento interior da efemeridade da vida.

Meditação Metta (ou Meditação do Amor)

Outro método popular de como praticar a meditação budista é o Metta, ou meditação do amor. Existem muitas formas dessa meditação e todas começam com uma etapa inicial de Samatha (Meditação Mindfulness ou Meditação da Atenção Plena) para manter a mente estabelecida e receptiva.

Nessa técnica, começamos direcionando desejos de bem-estar e bondade para conosco. Então nos abrimos e direcionamos a bondade amorosa para uma pessoa ou animal de estimação que amamos. Ou com alguém com quem nos sentimos neutros. Pode ser também por alguém com quem temos problemas ou mesmo com um inimigo. Em última análise, o nosso amor flui igualmente para todos os seres em todos os lugares, independentemente de como nos sentimos sobre eles.

Essa forma de meditação é sobre sentir o amor irradiar-se até que os limites distintos que normalmente nos caracterizam como “eu, amigo, inimigo etc.” desapareçam e o que resta é a benevolência, pura e simples.

Podemos repetir slogans ou Mantras que inspiram a prática, como “Que meu amor por mim e pelos outros flua livremente”. Ou “Que eu e todos os seres vivos sejamos seguros, felizes e pacíficos”. Uma invocação budista tradicional é “Que todos os seres encontrem a felicidade e a causa da felicidade. Que eles estejam livres do sofrimento e da causa do sofrimento”.

Depois de um período de prática ativa de Metta, ficamos em silêncio por um tempo.

Meditação Budista Contemplativa

Os ensinamentos budistas compartilham algumas crenças fundamentais. Assim, os praticantes são encorajados a refletir sobre estas crenças de maneira concentrada e contemplativa.

Essa Contemplação pode ser integrada em uma sessão prática. Uma das contemplações mais conhecidas é chamada de “Os Quatro Pensamentos que Transformam a Mente”. Seu propósito é nos dar uma boa razão para sentar e praticar, em vez de, por exemplo, passar horas nas redes sociais ou em um Shopping Center.

Estes quatro pensamentos, em resumo, são:

O Precioso Ato de Nascer como um Ser Humano

Contemplar a importância e a oportunidade de ter um nascido como um ser humano. Uma dádiva preciosa. Temos muita sorte de nascer como seres humanos, uma vez que essa existência humana é inestimável! Graças a essa dádiva, somos dotados da liberdade e das condições necessárias para cultivar nosso desenvolvimento espiritual.

Impermanência e Mortalidade

Por causa da ignorância e percepção equivocada de nossa existência, nos apegamos à permanência e à solidez material. No dia-a-dia, negamos o fato de nossa mortalidade, agindo como se vivêssemos para sempre. Essa percepção equivocada da realidade só traz mais confusão, estresse, insatisfação e sofrimento. No entanto, quando enfrentamos a inevitabilidade de nossa morte, começamos a nos perguntar o que fazer e como lidar com a incerteza da vida.

Karma e suas Consequências

A sabedoria consiste em contemplarmos que a qualidade de nossa vida é totalmente determinada pela qualidade de nosso comportamento. Dessa forma, nossos pensamentos, sentimentos, falas e ações, virtuosos e não-virtuosos, criam os padrões intricados de nossa experiência de vida.

Nós mesmos criamos as causas de nossa própria felicidade ou de nosso próprio sofrimento.

Quando entendemos as ações prejudiciais e não virtuosas que causam sofrimento, podemos eliminar essas causas. Entretanto, quando entendemos as ações virtuosas que trazem felicidade e benefício a nós mesmos e aos outros, podemos cultivar essas causas. Devemos começar reconhecendo que nossa situação na vida é o resultado de nossas próprias ações.

As Deficiências da Existência Material

Um obstáculo muito grande para o sucesso no caminho da libertação é o nosso apego à vida mundana e material, com toda sua carga de ansiedade e estresse. Como estamos todos fortemente ligados a este mundo material, precisamos examinar com muito cuidado se as atividades mundanas nos beneficiarão ou não.

Por exemplo, a maioria de nós deseja posses, prazer, conforto e também queremos amor e aceitação dos outros. Trabalhamos duro para obter essas coisas, passando por muito desconforto e até sofrendo para obtê-las. Assim, em última análise, se meditarmos sobre tudo isso, descobriremos que o apego a este mundo como fonte de nossa segurança, felicidade e satisfação é infrutífero e fútil.

Meditação Budista em Resumo

Eu posso escolher dedicar minha energia para desenvolver sabedoria, compaixão e o poder de beneficiar os outros. Muitas pessoas em outras situações, assim como outras formas de vida, como animais, não têm essa possibilidade. Eu reconheço a preciosidade dessa oportunidade e prometo não desperdiçá-la.

Mas quem sabe quanto tempo esta nossa preciosa existência vai durar? Tudo muda. Toda a nossa existência depende de uma expiração sendo seguida por uma inspiração. Não há tempo a perder.

Tudo o que existe tem uma causa e toda ação tem consequências. Isso fala com a verdade da interdependência – e significa que nossas ações têm mais impacto do que poderíamos imaginar.

Em um ponto ou outro, estaremos separados de todas as coisas materiais às quais estamos ligados. Tanto esforço, tão pouco ganho duradouro! Faz mais sentido concentrar a nossa energia em ser benéfico, desenvolvendo as preciosas qualidades da sabedoria, compaixão e habilidades espirituais. Que a prática de meditação nos ajude a alcançar esse objetivo!

Uma Sugestão: Meditação Budista Orientada

Se você está apenas começando sua prática de meditação budista – mas não sabe ao certo como proceder, tente seguir uma meditação guiada.

Você pode participar de uma aula de meditação perto de você, pois é uma ótima maneira de interagir com outras pessoas e trocar ideias.


Comente abaixo suas experiências com os diferentes tipos de meditação Budista. Compartilhe suas experiências!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *